terça-feira, 23 de dezembro de 2014

E se no Natal as crianças recebessem mais valores e menos prendas?

Os pais do Manuel têm já "postura mais minimalista no Natal" DR

Os brinquedos fazem parte do Natal dos mais pequenos. Mas há pais que equilibram os presentes com princípios morais.

O Natal está mesmo quase e as crianças decoraram há muito o nome do carro ou da boneca que querem. Os pais ficam com a tarefa de encontrar o “tal” brinquedo para mais uma época que querem memorável, pelo menos para os mais pequenos. Presentear é uma tradição e se a crise económica a veio quebrar, numa tendência minimalista forçada, há um lado do Natal que pode ser explorado, o dos valores e da partilha. Mas as crianças querem mesmo saber de questões morais?

Caleb, 11 anos, Davis, 8, e Beckham, 5, filhos de Lisa e John Henderson não vão receber prendas este Natal. “Os nossos filhos têm sido ingratos. Esperam sempre muito, mesmo quando o seu comportamento é desrespeitoso. Avisámos, ou o comportamento mudava ou haveria consequências. Trabalhamos pacientemente com eles durante vários meses e adivinhem, muito pouco mudou”, contou Lisa no seu blogue Over the Big Moon.

Numa troca de comentários com leitores do seu blogue, que consideraram a medida excessiva, Lisa lamentou que os “pais pareçam estar mais preocupados com o que os seus filhos pensam de si do que em torná-los futuros membros da sociedade”. A mãe está mais preocupada que os filhos “compreendam que comportamento e escolhas importam”. “Quero que tenham consciência dos outros e de como são abençoados”.

Esta consciência parece estar presente em Leonor, 9 anos, que este Natal tem grandes hipóteses de receber entre as “enciclopédias, qualquer coisa da Sience4You e Lego Friends”, que pediu. “Tem a ver com as notas da escola e com o seu comportamento”, conta a mãe Sandra Correia, gestora de contas. “Geralmente pode fazer uma lista com três a cinco brinquedos. Ela tem noção do esforço financeiro que implica o Natal”. Ao receber o que pede, os pais querem que Leonor saiba que é “merecedora do que ganha”.

Nesta altura, Leonor é “mais solidária”, diz Sandra. “Na escola fazem sempre imensas acções de voluntariado associadas a esta época, em que ela participa. Os meus pais têm uma formação católica e passaram esse espírito para a Leonor. Somos uma família com muita tradição de Natal”.

Os pais de Manuel, 9 anos, Micaela Neto, fotojornalista, e Carlos Moreira, técnico de informática, afirmam que o filho “não tem tudo o que quer”. "Conversamos muito com ele sobre isso e não é tarefa fácil, porque existem sempre amigos que têm tudo”, conta a mãe de uma família que já adoptou uma “postura mais minimalista de consumo no Natal”. “Mas podemos fazer sempre melhor”, acredita Micaela.

Micaela e Carlos condicionam os pedidos de Manuel de “maneira a não pedir uma coisa cara”, até porque há ainda uma irmã de 3 anos. Também a quantidade de prendas tem regras. O Manuel recebe uma prenda do Pai Natal, mais um pequeno presente dos pais. Avós e tios juntam-se por vezes para comprar uma prenda melhor e na casa dos avós maternos junta-se ao “sorteio do amigo secreto”, no qual Manuel participa ao receber e dar uma prenda comprada com o seu dinheiro.

Minimalismo para recuperar valores

Becker não contesta o acto de dar presentes, mas a forma. “Ao darmos presentes conseguimos comunicar o nosso amor, apreço ou gratidão. Esta é uma prática que encontramos em toda a história humana. Infelizmente, essa prática de troca de presentes tornou-se tão comercializada que começou a perder o seu significado”.

Critica ainda os dias impostos para presentear. “O acto de oferecer deve marcar a nossa atitude na vida e não apenas a prática de épocas específicas. Muitas vezes, o maior presente que podemos dar é o nosso tempo, atenção e amor”. A filosofia de Becker é posta em prática com os dois filhos, de 8 e 11 anos, que recebem “uma coisa que querem, uma coisa que precisam e uma experiência que podem partilhar com a família”.

O pediatra Mário Cordeiro é também defensor do equilíbrio e que se “deve ser frugal e contido nos presentes, não apenas pela crise, mas porque dar um presente é isso: dizer a alguém que ‘estamos presentes’ na vida dessa pessoa cada vez que ela usar ou olhar para o que ofertámos”.

Mário Cordeiro não tem dúvidas que o “excesso de brinquedos é contraproducente, porque deixa de se dar o valor específico de cada um”. “É importante mudarmos o paradigma e essa mudança começa nas gerações mais novas: frugalidade, ou seja, poder ter, sim, mas ter apenas aquilo que é necessário, importante e ao qual se dá uso”, reforça.

Se ter muitos brinquedos no quarto é “redundante, desperdício, exagero”, condicionar a quantidade não deve ser visto no “aspecto de racionamento, mas de contenção, de permitir espaço para valores e actividades ‘de custo zero’”, completa o pediatra.

Alexandre, professor, e Ana, decoradora, já têm esta prática. Valores como “a família, amizade e a solidariedade” fazem parte da vida das filhas, Mariana, 15 anos, e Bernarda, 10. À semelhança das outras famílias com que o PÚBLICO falou, nesta casa é habitual dar roupa ou brinquedos a instituições, até porque as filhas “têm mais do que precisam”, assume Alexandre. No entanto, este pai sublinha que “’minimalista’ não é um termo explicável às crianças, especialmente no Natal”. “Tentamos ser justos”. Assim, as irmãs podem fazer pedidos distribuídos entre familiares que escolhem o que lhes oferecer. “Se os pedidos forem razoáveis, quer dizer que os presentes que recebem são merecidos”, resume o pai.

Hugo, de 9 anos, também sabe os valores associados ao Natal, garantem o pai, João Barroso, gestor de produto, e a mãe, Adelaide Moreira, professora de Educação Visual e Tecnológica. Não há um limite para as prendas que pode receber mas há um limite de orçamento. “Apenas lhe vamos dizendo que determinados produtos não poderão ser contemplados, por serem demasiado caros, ou por não representarem uma real necessidade. Tentamos transmitir-lhe algumas noções de bom senso e contenção, explicando que há limites e que há prioridades”, conta João.

João reconhece que o filho tem muitos brinquedos mas não considera que seja em excesso. “Desde que sejam criteriosamente escolhidos, e que não prevaleçam em detrimento de outros bens de primeira necessidade, geralmente discordo da ideia de que as crianças têm excesso de brinquedos”. Quando o quarto do Hugo precisa de uma “limpeza”, João conta que reforça com o filho o estímulo do “prazer de partilhar e de ajudar outras crianças que infelizmente não têm as condições de vida que tem”

Educar com a partilha

O professor admite, no entanto, que “não é fácil definir o que são ‘muitos brinquedos’”. André, de 5 anos, admite que tem muitos e este ano a sua lista desejos parece pequena: “um skate, um microscópio, um kit experiências e legos”. “Sabe que não pode ter tudo. Faz uma lista dos brinquedos de que gosta mais e elimina os mais caros. Depois distribuímos os pedidos pelos familiares”, explica o pai Ricardo, psicólogo. André começa a tarefa de escolher as prendas meses antes do Natal e “termina numa lista de mais ou menos seis a sete prendas”, incluindo o “fato do próximo Carnaval”.

Antes de receber, Ricardo e Raquel, professora de Português, trabalham com o filho a selecção de brinquedos a doar. O pai confirma a tendência de um minimalismo na quantidade de prendas recebidas pelo filho e a insistência junto deste que “existem muitos meninos e famílias que têm dificuldades”. “E ele percebe”.“Os filhos não dão valor a nada”

Autora do blogue Mum’s the boss e do site Parentalidade Positiva já ouviu pais dizerem que os “filhos não dão valor a nada”. E que por muito que se explique que há meninos desfavorecidos, a “verdade é que os miúdos não desarmam e dizem ‘hoje ainda não me deste nada!’”.

“Não há fórmulas milagre” para lidar com estes comportamentos mas “há formas de plantar sementes a médio prazo” e é nesse sentido que Magda Dias sugere a criação de um caderno da gratidão, uma ideia que também usa em casa, com Carmen, de 5 anos, e de Gaspar, de 1. No caderno, deve registar-se o que fez a criança feliz num determinado dia. “Ao plantar esta semente, e ao fazê-lo três vezes por semana, está a ajudar o filho a criar este hábito – e quando estamos gratos rapidamente concluímos que não precisamos de coisas nem de nos compararmos por termos coisas”. A formadora sugere ainda o calendário do Advento, uma forma de trabalhar o “vínculo com os filhos e ensinar valores importantes como a fraternidade, o espírito de equipa, o respeito”. Dentro desta agenda de família escolhem-se dias para fazer decorações, oferecer bolachas caseiras ou dizer o que se gosta na família.

Dar presentes é positivo mas o psicólogo José Morgado observa que deve ser feito de forma “equilibrada, não excessiva e as crianças devem ser envolvidas de acordo com a idade nas discussões e decisões sobre o que é razoável”. “Contribui para a sua autonomia e entendimento de limites e circunstâncias”, remata.

Mário Cordeiro alerta que “andar aflito porque ‘o menino quer isto ou aquilo’ e depois o menino fica muito zangado se não tem o que pediu, é uma expressão de abdicação do amor parental e uma claudicação perante a omnipotência ditatorial das crianças”. “Isso não é ‘estar presente na vida do outro’ através de um amor oblativo, mas sim ser escravo dos desejos imperiais infantis”, defende.
Perguntámos às crianças como reagiriam se os pais lhes dissessem que vão receber apenas uma prenda. Todos se mostraram compreensivos. As posições dividiram-se quando se colocou a hipótese de não receberem nada e mas partilharem. A Mariana diz que “isso não é Natal” e a Bernarda diz que não percebe. A Leonor acede com a frase “Natal é uma época de partilha”. O Hugo acrescenta que “fica muito feliz por dar a meninos que necessitam”. Manuel admite a tristeza de não receber nada mas aceita dar o que não precisa. O André, aos 5 anos, acha engraçada a possibilidade de partilha e dispara sem problemas uma lista do que está disposto a dar.